Laboratório São Paulo

Você está em: Página Inicial | Atualização Científica


22 de setembro de 2017

Amônia Sanguínea

Informamos que passamos a realizar internamente o exame: AMÔNIA SANGUÍNEA, com liberação do resultado no mesmo dia.

Apesar da baixa demanda atual, optamos pela internalização do exame, uma vez que pela curta estabilidade da amostra, não era possível a terceirização do mesmo. Com isto, assumimos sempre o compromisso de trazer maior agilidade no diagnóstico e tratamento de seu paciente.

Os níveis de normalidade, na metodologia utilizada, é de 9 a 30 µmol/L. A técnica empregada é a química seca, utilizando amostras de sangue (plasma com heparina ou EDTA). A estabilidade do material é curta, 3 horas refrigerada e 24 horas congelada.

Este exame tem utilidade na investigação de erros inatos do metabolismo e hepatopatias.

A amônia é produzida pelos rins e por bactérias intestinais após a degradação de aminoácidos e de outros compostos aminados, sendo rapidamente absorvida pelo intestino e transformada, no fígado, em uréia, num ciclo que envolve seis diferentes enzimas (ciclo da uréia).

Por se tratar de uma substância potencialmente tóxica para o sistema nervoso central, o acúmulo de amônia causa encefalopatia hepática, coma hepático nos estados terminais de cirrose hepática, insuficiência hepática, necrose hepática aguda e subaguda, e síndrome de Reye. A hiperamonemia pode também ser detectada em casos em que se verifica o aumento da ingestão de proteínas na dieta.